• Instagram

  • Facebook

  • YouTube

  • WhatsApp

  • Podcast

  • Localização

  • Telefones

    + 55 85 3032.2020 . 0800.005.1020

    • Português
    • English
  • Dedicação exclusiva ao transplante capilar.
    Pioneiro em megasessões de fue no brasil.
    Referência mundial em calvícies avançadas e secundárias.

    Dr. Márcio Crisóstomo

    Jornal: Diário do Nordeste
    Reportagem: “Debaixo dos Caracóis – Transplante Capilar” – Abril 2008

    Os fios mais resistentes são transplantados para a área calva, mantendo suas características originais. Como o implante corresponde a unidades da raiz do cabelo, o ciclo de crescimento e os novos fios costumam nascer entre o 3º ao 5º mês após a cirurgia. (Fotos: Reprodução)

    Tratamento clínico, complementar ou cirúrgico. Sempre há uma opção para cada caso ou estágio.

    Sinal de força, virilidade e, por muitas vezes, também usado como arma de sedução, o cabelo pode ter grande repercussão psicológica na vida de homens e mulheres quando os fios começam a cair de forma crescente e desordenada.

    Sejam quais forem as causas (distúrbios hormonais, anemia, estresse, doenças autoimunes e do couro cabeludo) ou a mais freqüente, a alopecia androgenética (andro: relação com os hormônios masculinos; genética: hereditariedade), o importante é saber que existe tratamento para cada caso ou estágio da calvície. Mas antes de escolher qual a conduta – tratamento clínico, complementar não-cirúrgico ou cirúrgico- o paciente deve ser avaliado por um médico dermatologista.

    Avaliação clínica

    Quando a perda de cabelos está em fase inicial, a avaliação clínica objetiva afastar as causas menos comuns e diagnosticar doenças do couro cabeludo, destaca o cirurgião plástico especializado em transplante capilar Márcio Crisóstomo, coordenador do Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital Filantrópico Paulo Sarasate (Redenção /CE) e diretor médico da Clin – Cirurgia Plástica, Dermatologia e Tratamento da Calvície.

    “Com a ajuda de um microscópio digital (aumenta em 250 vezes a imagem), o médico pode fazer uma análise detalhada do couro cabeludo (enquanto o paciente assiste o exame por um monitor). A partir desta avaliação, podemos prescrever drogas orais e tópicos para parar ou diminuir a queda, cujas contra-indicações e a indicação é individualizada para cada paciente”, argumenta.

    Os tratamentos complementares (não cirúrgicos) funcionam como uma segunda opção igualmente viável para combater a calvície. Entre as tecnologias mais recentes figuram o laser de baixa potência (LLL – Low level laser) e o LED (Light emmiting diodes). O LLL possui ação anti-inflamatória, promovendo um aumento na microcirculação, com o aumento na oferta de oxigênio local, a luz do laser é absorvida pelas células ativando a multiplicação celular da raiz do cabelo, acelerando a velocidade de crescimento dos fios e da densidade. O LED faz uma fotobiomodulação com aumento no metabolismo e divisão celular e tem ação anti-inflamatória.

    “As técnicas são empregadas com sucesso tanto no tratamento complementar da queda em fases iniciais como no pós-operatório do implante, já que ambos promovem uma recuperação mais rápida, e nascimento precoce dos fios implantados”. É o que explica Márcio Crisóstomo, pesquisador do Departamento de Cirurgia da UFC, onde estuda novas opções para a solução nutriente que conserva as unidades foliculares à semelhança das soluções que conservam outros tipos de transplantes de órgãos.

    Transplante

    Em estágios mais avançados de calvície, ou quando o tratamento clínico não produziu os efeitos esperados em fases mais iniciais, o tratamento indicado é o microtransplante capilar ou implante capilar. Desenvolvida pelo um cirurgião plástico de Porto Alegre (RS), Dr. Carlos Uebel, a técnica se baseia no princípio de que os fios existentes na parte lateral e posterior são imunes aos efeitos da alopecia androgenética.

    Estes fios mais resistentes são transplantados para a área calva, mantendo suas características originais, ou seja, são definitivos. Como o implante corresponde a unidades da raiz do cabelo, o ciclo de crescimento e os novos fios costumam nascer entre o 3º ao 5º mês após o procedimento cirúrgico. Depois que nascem crescem um centímetro por mês. O resultado final pode ser observado após um ano.

    Identificada a área doadora, o procedimento tem início com a retirada de uma faixa de couro cabeludo contendo os cabelos com espessura de aproximadamente 1,5cm. A extensão é variável uma vez que depende do grau de calvície a ser tratado, podendo estender-se de orelha a orelha em casos mais severos. Após a retirada dos cabelos a região é suturada (os pontos são absorvíveis), resultando em uma cicatriz muito discreta pois é encoberta pelo cabelo remanescente.

    Para que a cirurgia tenha sucesso, descreve Dr. Márcio Crisóstomo, “é fundamental que o cirurgião utilize sua experiência e senso artístico para desenhar uma linha anterior natural, pois é a partir desta linha que os fios serão implantados”. E complementa: “a linha anterior deve ser desenhada de forma que fique a mais parecida possível com a linha anterior de uma pessoa não calva, ou seja, de forma irregular e mantendo as entradas naturais do paciente. Este desenho é essencial, pois se a linha anterior não ficar natural pode comprometer o resultado e prejudicar futuros implantes”, diz o médico que realizou residência e pós-graduação durante três anos no serviço do Prof. Ivo Pitanguy, no Rio de Janeiro.

    A faixa de couro cabeludo retirada da área doadora é tratada por uma equipe devidamente treinada pelo cirurgião-chefe que, com o auxílio de microscópios e lentes de aumento apropriadas, dividem este couro cabeludo em finas porções ou unidades foliculares (UF), cada uma contendo de 1 a 4 fios de cabelos. Estas unidades são conservadas em soluções nutrientes até o momento em que os cabelos são implantados. “É essencial uma equipe bem treinada no preparo das Ufs para que o implante não tenha o aspecto artificial (ou algo parecido com “cabelo de boneca”), fato freqüente nas técnicas mais antigas.

    O cirurgião realiza o implante das unidades foliculares na área calva seguindo o traçado da linha anterior previamente desenhada por ele. Com lâminas microcirúrgicas, o cirurgião produz incisões puntiformes onde são colocadas as UFs (o procedimento não resulta em cicatrizes). Segundo explica Márcio Crisóstomo, a direção do implante deve seguir o sentido natural de crescimento dos fios, sendo a densidade a maior possível para que o implante não fique com aspecto mais “ralo”.

    As unidades mais finas (contendo um e dois fios) são colocadas na linha de frente, conferindo um aspecto natural na parte frontal da cabeça, enquanto as unidades com 3 e 4 fios são dispostas na área posterior, conferindo volume e movimento ao cabelo. Esta fase do processo é feita simultaneamente ao preparo das UF, com duração de cerca de 5 a 6 horas. Neste tempo, informa, são implantados cerca de 5 a 6 mil fios, sendo o trabalho conduzido por uma equipe de sete ou oito profissionais, no caso dos procedimentos realizados na Clin, em Fortaleza.

    O procedimento é realizado em hospital, com toda a segurança que um procedimento cirúrgico requer, inclusive com o acompanhamento de um médico anestesiologista para fazer uma leve sedação que mantêm o paciente tranqüilo e estável durante todo o procedimento. Após a sedação, o procedimento cirúrgico é todo feito com anestesia local para a retirada dos fios e na área calva.

    Como em toda a cirurgia, os cuidados pós-operatórios são igualmente importantes. No dia seguinte à cirurgia, o paciente vai á clínica onde tem os cabelos lavados sendo orientado sobre como lavá-los em casa, ocasião em que é feita a primeira aplicação de laser e LED. “Utilizamos essas tecnologias de rotina no pós-operatório com o objetivo de reduzir o processo inflamatório da cirurgia, aumentar a circulação local, a velocidade de crescimento dos fios e a densidade. Além deste tratamento medicações orais e loções para aplicar também são prescritas. Em 48 horas o paciente pode retornar às suas atividades cotidianas”, informa o cirurgião plástico.

    FIQUE POR DENTRO

    Queda atinge mais região frontal e superior

    O mecanismo da queda na alopecia androgenética acontece da seguinte forma: o hormônio masculino (testosterona) é metabolizado no organismo e uma das suas divisões – a DHT (di-hidro-testosterona) – atua no folículo piloso de áreas geneticamente pré-dispostas (determinadas pela hereditariedade) fazendo com que os folículos fiquem miniaturizados, até a sua queda definitiva e irreversível.

    Essa queda de cabelo segue um padrão e acomete áreas na região frontal e superior da cabeça em níveis diferentes em conformidade com o que é determinado geneticamente. Essa perda de cabelo pode variar desde as formas mais leves, com pequenas e discretas entradas, até as mais severas, onde sobra somente uma pequena faixa de cabelo nas laterais da cabeça e na nuca.

    A razão pela qual os fios de cabelo da parte lateral e da nuca nunca caírem, é que os mesmos possuem uma origem embriológica diferenciada dos fios existentes na parte superior da cabeça, sendo imunes aos efeitos da alopecia androgenética. Este fato é extremamente importante para o sucesso no transplante de cabelos, que utilizam os fios desta região por serem justamente os mais resistentes, ou seja, são considerados definitivos.

    DADOS

    50% dos homens têm algum grau de calvície. A alopecia androgenética costuma surgir entre os 20 e 30 anos, sendo mais freqüente a partir dos 40 anos. Os dados são da literatura norte-americana.

    DADOS

    “Os alisamentos muito vigorosos podem gerar queda em quem já tem tendência´ ‘O ideal é procurar um dermatologista para orientar sobre o shampo, como lavar os cabelos e a freqüência´”(Márcio Crisóstomo, Cirurgião plástico)

    Agenda Científica

    2020/2021

    10º Annual Congress of Association…

    CIRURGIA DEMONSTRATIVA

    Indore – Índia

    Workshop da Associação Brasileira de…

    PALESTRANTE CONVIDADO

    São Paulo – Brasil

    23.º Encontro Internacional da Associação…

    PALESTRANTE CONVIDADO

    Rio de Janeiro – Brasil

    Graduação em Surgical Leadership pela…

    FORMATURA

    Boston – EUA

    27th World Congress of Hair…

    CIRURGIA DEMOSTRATIVA

    Bangkok – Tailândia

    VI Workshop Latinoamericano de FUE

    PALESTRANTE CONVIDADO

    Cancún – México

    Anos Anteriores
    Anos

    Anteriores

    saiba mais

    Publicações Científicas

    Muito do trabalho de um médico pode ser avaliado pelas novas ideias e contribuições deste à sua especialidade.

    Estas contribuições se traduzem em publicações em revistas científicas especializadas e livros que levam o conhecimento a outros profissionais.

    saiba mais

    Resultados

    Conheça alguns resultados do Dr. Crisóstomo e de sua equipe

    Imprensa/Notícias

    Depoimentos

    Recomendações Internacionais

    Sociedades Médicas e Títulos

    Sociedades Médicas

    Harvard Medical School – Surgical Leadershp Program 2018-2019

    Sociedades Médicas

    Diplomate of the American Board of Hair Restoration Surgery Título de Especialista em Cirurgia de Restauração Capilar Emitido nos Estados Unidos

    Sociedades Médicas

    Membro fundador do Comitê de Pesquisas em FUE da ISHRS

    Sociedades Médicas

    Fellow (FISHRS) Membro do comitê científico organizador dos congressos mundiais de 2015 (Chicago) e 2016 (Las Vegas)

    Sociedades Médicas

    Pós-graduado no Serviço do Prof. Ivo Pitanguy – RJ (3 Anos)

    Sociedades Médicas

    Ordem dos Médicos de Portugal

    Sociedades Médicas

    Membro Especialista e Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica Monografia em Transplante Capilar

    Sociedades Médicas

    Mestre em cirurgia pela UFC Dissertação em Transplante Capilar Preceptor do Serviço de Cirurgia Plástica durante 5 anos

    Sociedades Médicas

    Associação Brasileira de Cirurgia da Restauração Capilar Desde o primeiro congresso Organizador do workshop “Controvérsias no Transplante Capilar Atual”, Fortaleza / 2016

    Sociedades Médicas

    European Society of Hair Restoration Surgery

    Como escolher

    um cirurgião de calvície com segurança

    Revistas

    Veja na íntegra
    as revistas do
    Instituto Crisóstomo 

    saiba mais
    Dr. Márcio Crisóstomo

    Locais de Atendimento

    • Fortaleza CE
    • São Paulo SP
    • Lisboa Portugal
    • Brasília DF
    • São Luís MA
    • Recife PE
    Confira datas de atendimento

    Fale Conosco

    Itens com (*) são de preenchimento obrigatório para o envio do conteúdo.

    Fale Conosco
    Pacientes

    de outras

    localidades

    clique aqui
    Dr. Márcio Crisóstomo
  • Endereço

    R. Leonardo Mota, 2429 – Dionísio Torres

    Fortaleza – CE, 60170-176

  • Telefones

    + 55 85 3032.2020
    + 55 85 99667.3335
    0800.005.1020

  • Instagram

  • Facebook

  • YouTube

  • WhatsApp

  • Podcast

  • Localização

  • Telefones

    + 55 85 3032.2020 . 0800.005.1020

  • Tratamento Acne

    A acne é uma doença extremamente comum, que leva muitos pacientes ao consultório médico em busca de alguma solução, especialmente por conta do desconforto estético. Acne é o nome dado a espinhas e cravos que surgem devido a um processo inflamatório das glândulas sebáceas e dos folículos pilosebáceos. É muito frequente na adolescência, mas sem deixar de ser comum também em adultos, principalmente em mulheres.

    Hormônios sexuais, que começam a ser produzidos na puberdade, são os principais responsáveis pelas alterações das características da pele, assim como pelo surgimento da acne, que também está associado à genética favorável. As lesões aparecem com mais frequência na face, mas também podem ocorrer nas costas, ombros e peito.
    Os sintomas principais são: comedões (cravos), pústulas (espinhas), nódulos e cistos (lesões inflamadas, mais profundas e que podem deixar cicatrizes).

    Alguns fatores podem levar a piora da acne como situações de estresse ou período menstrual. Certos medicamentos como corticóides, vitaminas do complexo B, exposição exagerada ao sol, e o hábito de mexer nas lesões também pioram o quadro.

    O tratamento vai variar de acordo com a gravidade e a localização, e deve ser iniciado o mais precoce possível para evitar problemas psicológicos, maior dano estético e formação de cicatrizes. Pode ser feito com medicações tópicas (aplicadas na pele) ou sistêmicas. Procedimentos como Peelings Químicos, LEDs (light emitting diode) e alguns tipos de lasers também são utilizados para controle das lesões inflamatórias e melhora das manchinhas e cicatrizes.